Já publicamos aqui no blog diversos artigos sobre Big Data, desde informações básicas sobre sua definição até formas de implantar essa metodologia na sua empresa.

Por ser um termo ainda “novo” no mundo corporativo, vários gestores se perdem e se assustam quando falamos de análise de dados, mas não é para tanto. Tendo boas ferramentas de Big Data Analytics, pessoal capacitado e uma sólida base de dados, tomar decisões sobre sua empresa será mais fácil.

Seja empresa do varejo, prestadora de serviços, governamental, de qualquer tamanho ou seguimento, o uso de análise de dados é uma realidade que veio para ficar e modificar a forma como gerimos e nos comunicamos.

As formas de utilizar os dados da empresa variam de acordo com a demanda no momento. Identificar desperdícios, reduzir custos, aumentar a competitividade e conhecer melhor o funcionamento da sua empresa são algumas vantagens de usar a análise de dados. A seguir, confira 4 tipos de análise de dados de Big Data que você precisa conhecer!

Análise preditiva

Esse tipo de análise consiste em examinar cada situação individualmente, e podemos compará-lo a um relatório. Um exemplo desse tipo de análise de dados é o Google Analytics, que cria relatórios fáceis de interpretar sobre informações da sua página — como número de visitas, quantidade de postagens, o tempo médio que cada usuário ficou na página e até mesmo a localização do acesso.

Por ser de fácil entendimento, esse é o método mais utilizado pelos gestores.

Análise prescritiva

Podemos explicar esse tipo como sendo uma análise de dados para examinar consequências das nossas escolhas. Essa análise nos fornece informações mais relevantes sobre o que fazer diante de determinada situação.

Um exemplo prático seria uma empresa de logística que utiliza a análise prescritiva para traçar rotas dos seus veículos, vendo como poderá reduzir custos ou se será necessária a implantação de outros centros de distribuição em uma região.

Análise descritiva

Examinar em tempo real os dados para tomar uma decisão mais urgente: podemos explicar dessa forma a análise de dados descritiva. É agora! É para decidir o que fazer diante de uma situação real e imediata!

Recentemente a VISA investiu em Big Data exatamente para fazer esse tipo de análise. Decidir no ato da compra, se o perfil é compatível com os modos do seu cliente. Assim, a empresa conseguiu reduzir o número de pagamentos feitos por cartões roubados. Esse é um exemplo claro de como essa análise pode ser utilizada.

Análise diagnóstica

Você deve ter percebido que os três tipos anteriormente apresentados se tratam de análise de dados para a tomada de decisão. A diagnóstica, no entanto, é feita, geralmente, após todo o trabalho realizado. Ela vai responder a questões ligadas às ações tomadas, por exemplo: “Quem fez?” “Quando fez?” “Onde fez” e “Por que fez?”. A análise diagnóstica é capaz de detalhar para que você possa compreender cada passo tomado.

Imagine sua equipe de marketing precisando desovar do estoque determinado shampoo, por exemplo. Analisando dessa forma, ela conseguirá compreender para qual perfil de cliente esse produto será facilmente vendido. Assim, deve-se criar campanhas direcionadas, avaliando o retorno e o alcance dela após a execução.

De forma mais minuciosa, a análise diagnóstica apresentará ao usuário relatórios mais aprofundados, permitindo a ele detectar qual caminho seguir, identificar possíveis erros e mudar de estratégia caso demonstre não ser viável. Isso significa uma comunicação mais assertiva e com retorno garantido.

Agora que você já aprendeu mais sobre os tipos, vale a pena conferir este artigo para que você possa fazer uma análise de dados campeã!